Home » , , , , » Tortura e morte de Junko Furuta, a colegial que foi concretada

Tortura e morte de Junko Furuta, a colegial que foi concretada

Junko Furuta foi uma excelente e simpática aluna da escola Yashio-Minami, em Misato, no Japão. Ela não compartilhava dos mesmos gostos que seus colegas, como sexo, drogas e álcool, o que gerou ressentimento e inveja neles.

Junko sabia que em sua escola, um de seus colegas, Hiroshi Miyano, 18 anos, era louco por ela. Ele era bem conhecido, mas não por fazer coisas boas. Era o valentão da escola. Mesmo tão jovem, ele já estava envolvido com a nova geração de Yakuza, a mais temida máfia japonesa. Como o sentimento do jovem não era correspondido, ele decidiu se vingar. 

Em 25 de novembro de 1988, Junko deixou a escola a caminho de casa, sem saber que nunca chegaria a seu destino. Hiroshi, junto com três de seus amigos: Jo e Watanabe Yasushi Ogura, ambos de 17 anos de idade e Minato Nobuharu, 16 anos, interceptaram Junko e pediram para conversar em particular com ela. Com medo, Junko aceitou. O grupo levou a moça para a casa dos pais de Minato. Assim começaram os 44 dias de tortura. 



























Chegando na casa de Minato, os quatro estudantes deixaram claro para Junko que a partir daquele momento ela iria fazer o que eles quisessem. Primeiro, espancaram-na como vingança por não ter nunca aceitado um compromisso com ele, Miyano. Depois disso, estupraram a pobre jovem. 

Estes jovens sabiam o que estavam fazendo e os problemas que poderiam chegar a ter por causa disso, e para a evitar as suspeitas da polícia, Junko foi obrigada a telefonar para seus pais e dizer que havia fugido de casa com um amigo, mas que eles não se preocupassem, pois ela estava bem.

Talvez você esteja se perguntando como os pais de Minato permitiram isso. A verdade é que, inicialmente, eles não tinham conhecimento sobre o que estava acontecendo naquela casa. Eles pensavam que Junko era namorada de seu filho, porém, mesmo depois de perceber que era um sequestro, optaram pelo silêncio, pois foram ameaçados por Hiroshi, membro da máfia Yakuza, e se falassem algo, seus familiares estariam correndo risco de vida

Junko foi mantida em cativeiro durante quarenta e quatro dias, esta é uma lista das atrocidades cometidas contra ela: 

  •  Mantiveram Junjo nua a maior parte do tempo;
  •  Estupraram-na todos os dias, um ou mais deles, penetrando sua vagina e ânus;
  •  Convidaram os outros membros da Yakuza para estuprá-la. Mais de 100 homens estupraram Junko, em um total de 500 vezes. Em uma ocasião, 12 homens em um único dia;
  • É espancada várias vezes e tem seu rosto empurrado contra o concreto;
  •  Várias vezes, urinaram sobre ela;
  •  Fotografaram tortura o tempo todo;
  •  Antes de estuprá-la, forçaram-na a se masturbar na frente de seus sequestradores ou seus convidados, enquanto eles bebiam cerveja;
  •  Introduziram objetos na vagina, incluindo uma garrafa e uma barra de ferro, machucando-a;
  •  Privaram-na de comida e água;
  •  Quando Junko implorou por água e comida, obrigaram ela a comer baratas vivas e beber a própria urina;
  •  Inseriram um dispositivo pirotécnico no ânus, provocando queimaduras graves;
  •  Amputaram seu mamilo esquerdo com um alicate;
  •  Amarraram as mãos e os pés, deitaram-na de costas, e deixaram cair halteres no estômago;
  •  Com a sequência de ferimentos graves, perdeu o controle de suas entranhas;
  •  Puniam toda vez que ela urinava;
  •  Quebraram todos os ossos da mão de Junko;
  •  Inseriram na vagina, tesouras e pinças de grelhar frango;
  •  Penduraram-na no teto e usaram-na como um saco de pancadas;
  •  Colocaram-na em um congelador por várias horas;
  •  Queimaram suas pálpebras com cera quente;
  •  Enfiaram dezenas de agulhas de costura nos seios dela;
  •  Queimaram a vagina e clitóris com isqueiros;
  •  Inseriram uma lâmpada quente na vagina, que quebrou dentro, causando ferimentos graves;
  • Seus tímpanos foram danificados e houve redução no tamanho de seu cérebro.

O corpo de Junko estava tão machucado, que ela já não podia mais se mover, de modo que em 1º de Janeiro de 1989, depois de passar o Natal e Ano Novo sozinha, implorou por sua morte, mas foi ignorada pelos jovens. No entanto, quatro dias depois, eles convidaram Junko para jogar Mahjong, e o fato dela ter ganhado a disputa, foi mais um motivo para torturarem ela. Junko foi espancada com uma barra de ferro, queimaram um de seus  olhos com uma vela acesa, e, finalmente, atearam fogo em seu corpo. Duas horas depois, seu corpo ainda  estava aceso, e enquanto ela gritava, os quatro sequestradores riam e jogavam Mahjong.



Junko Furuta morreu naquele mesmo dia, após entrar em choque. Nada pode ser comparado aos 44 dias em que foi mantida presa, humilhada como se sua vida não valesse nada. Mas o caso não termina aí. 


Um dia depois, em 5 de janeiro de 1989, como se tivessem tudo planejado, os quatro assassinos puseram o corpo de Junko em um tambor de metal, encheram-no com cimento, e deixaram em Koto, Tokyo. A data exata e como se encontrou o corpo, não se sabe exatamente, mas acredita-se que foi poucos dias após a morte e provavelmente partiu de uma informação dada pelos pais de Minato.

A autópsia determinou todos os danos que causaram a ela. Sua mãe desmaiou ao ouvir os detalhes do crime e precisou ser submetida a um tratamento psiquiátrico. Um informante desconhecido que pertencia à Yakuza notificou a polícia quem eram os autores de tal barbaridade. 



A identidade dos quatro assassinos permaneceu um mistério, até Shukan Bunshun, redator de um jornal, divulgar os nomes destes, argumentando que depois do que fizeram para Junko, ninguém deve ter compaixão por eles. Hiroshi Miyano mudou seu nome para Hiroshi Yokoyama, Jo Ogura, que mudou seu nome para Jo Kamisaku, Watanabe Yasushi Ogura, e Minato Nobuharu



As condenações dos assassinos foram ultrajantes. Foram considerados culpados por seqüestro e morte de Junko, mas não por estupro, porque o sêmen encontrado nos órgãos genitais e reto pertencia a mais de uma centena de homens. 

Três dos assassinos foram condenados a 8 anos de prisão, enquanto Hiroshi Miyano, foi condenado a 17 anos, e em seguida a 20. Infelizmente, todos estão livres agora.

Obras baseadas na história de Junko Furuta

Já foram feitos dois livros em japonês sobre este caso. Um mangá escrito por Fujii Seiji e ilustrado por Kamata Youji foi lançado em 2004, você pode ver ele clicando aqui. O mangá narra em forma de crônica os acontecimentos do crime.


O filme Concrete-Encased High School Girl Murder Case, inspirado neste crime foi rodado pelo diretor Katsuya Matsumura, em 1995. Yujin Kitagawa (membro da banda Yuzu) atuou no papel do principal culpado no filme. Outro filme, Concrete-Schoolgirl in Cement, dirigido por Hiromu Nakamura, foi feito em 2004, baseado em um dos livros sobre o caso.

























A banda japonesa The Gazette lançou, em 2006, no álbum NIL, a música "Taion" em homenagem à Junko.



A dramática história de Junko também é relatada no livro "As Verdadeiras Histórias Modernas do Bizarro", no capítulo "Estudante Dentro do Concreto", de Waita Uziga.





Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...